Tuiná

 

Cíntia Schneider (SOGAB- Escola de Massoterapia) www.sogab.com.br

cintia@sogab.com.br

 

O Tuiná é um antigo e tradicional recurso terapêutico originado na China, que consiste em um conjunto de técnicas manuais vigorosas, onde o terapeuta usa seus dedos, mãos, punhos, cotovelos, antebraços e joelhos nos Pontos de Acupuntura e nos Meridianos Energéticos (canais de energia, que por sua vez, correspondem a determinados órgãos do corpo humano) visando corrigir o desequilíbrio fisiológico e energético e alcançando assim, efeitos curativos. "Estimulando esses pontos, pode-se atingir o equilíbrio energético e, conseqüentemente, o provável tratamento das queixas do paciente", explica a massoterapeuta Suely Kozue, que atende no Espaço Viver, em Fortaleza (CE).

Entre as diversas manifestações da Medicina tradicional Chinesa, é aquela que melhor junta o útil ao agradável. No entanto, não é o caráter meramente relaxante que fez esta prática corporal viajar cerca de cinco mil anos no tempo, a "render" os gloriosos imperadores no passado e a assumir grande protagonismo nos cuidados de saúde na China atual. A razão desta persistente viagem reside num poder de cura, que teve origem nos reflexos de defesa instintiva que o ser humano "aprendeu", servindo as virtudes de feiticeiros e curandeiros, e que depois foi evoluindo para vários processos terapêuticos seguidos por diferentes escolas e ramos acadêmicos.

          O termo "Tuiná" em chinês significa literalmente "friccionar e amassar". As técnicas disponíveis também podem abranger manipulações articulares e incluem outros recursos acessórios, como a ventosaterapia, a moxabustão, a sangria e a auriculoterapia. Os movimentos são aplicados com maior ênfase na cabeça, barriga e nas costas e uma sessão costuma demorar cerca de 50 minutos. Na verdade, o Tuiná é tudo menos uma simples massagem, ou pelo menos aquilo que o termo significa no Ocidente. Se entre nós, o significado de massagem terapêutica se restringe a uma prática de manipulação local e normalmente periférica, no Oriente é extensível à ação que desempenha no sistemas nervoso, reprodutor, digestivo, circulatório e aos benefícios que trás aos tecidos cutâneos, à circulação sangüínea e também à estrutura óssea. Resumindo: à saúde integral do indivíduo, das vertentes física, emocional e psíquica. Ou seja, em vez de atuarem tão-somente na massa muscular e no sistema de locomoção, que eventualmente relaxa o indivíduo pelos efeitos obtidos a esses níveis, as diferentes técnicas do Tuiná têm por objetivo regular a função dos meridianos, equilibrando o respectivo fluxo de energia: sedá-la se estiver em excesso e tonificá-la caso esteja enfraquecida, expelindo os fatores patogênicos da doença.

Esta técnica pode ser usada para tratar várias disfunções, e entre outras funções, serve para amenizar taquicardia e fazer alguém que estava em coma secundário voltar à consciência.  Esse tipo de massagem pode ser aplicado em pacientes de qualquer idade e é especialmente recomendado no tratamento de pacientes infantis e idosos.  A cautela deve ser com mulheres grávidas, uma vez que podem ser estimulados pontos que prejudiquem o andamento da gestação.

Atualmente, na China, o Tuiná está dividido em vários ramos: Adulto, Infantil, Ortopedia e Traumatologia, Cosmetologia, Prevenção da Saúde, Reabilitação, Medicina Esportiva, e assim por diante.
          Pesquisas modernas provam que o Tuiná melhora a microcirculação do sangue e do sistema linfático; que traz recuperação mais rápida para as várias lesões dos tecidos moles, como o deslocamento e a contusão. Além disso, como o Sistema Nervoso, na função de controlar a microcirculação dos órgãos internos se conecta com a pele, e a massagem, sendo aplicada em pontos específicos sobre a superfície do corpo (a pele), pode regular, também, a microcirculação dos órgãos internos, microcirculação esta, que ajusta o funcionamento dos mesmos. Exercendo efeito sobre o Sistema Nervoso Central, pode ser usado para provocar anestesia, para baixar a febre nas crianças e para tratar a hipertensão e a neurose.
          Pode-se tratar uma infinidade de outros distúrbios orgânicos sob o ponto de vista da Ciência Ocidental, mas mantendo o diagnóstico comum à Medicina Tradicional Chinesa. Pode ser relaxante, dependendo do quadro do paciente, mas isto não é uma regra geral. O povo chinês começou a abandonar os ambientes rurais há poucas décadas, onde o trabalho era pesado e desgastante. Assim, podemos dizer que o povo chinês tem uma compleição forte e vigorosa e o Tuiná tradicional é uma técnica igualmente vigorosa que pode chegar a incomodar e até provocar dor num paciente do mundo ocidental. Um paciente que porventura esteja numa situação dessas pode até sair curado de seu distúrbio físico-energético, mas provavelmente não sairá relaxado!... Por esses motivos culturais, a técnica atualmente ensinado e praticado fora da China é menos vigoroso e segue não só uma linha terapêutica, como também uma linha relaxante.

Apesar de ser usada na China como recurso único de tratamento, o Tuiná é usado no Ocidente como recurso terapêutico acessório, não sendo recomendado de forma alguma que o paciente abandone o tratamento da Ciência Ocidental que estiver fazendo. O profissional praticante  precisa do diagnóstico fornecido pela Medicina Tradicional Chinesa e também do diagnóstico fornecido pela Ciência Ocidental; ambos irão fechar o diagnóstico final do paciente, tornando o tratamento mais eficaz. A anamnese (também muito importante) consiste numa coleta de dados através de uma entrevista com o paciente, onde fazemos um histórico da doença atual segundo a Medicina Tradicional Chinesa, usando também dados e diagnósticos relevantes Ciência Ocidental. O paciente pode estranhar o primeiro contato com a Medicina Tradicional Chinesa, pois durante a anamnese são feitas perguntas singulares referentes ao sistema digestivo, sistema excretor, qualidade das fezes e urina...

O paciente deve vestir-se com o mínimo de roupas, que devem ser leves e confortáveis. A razão disto é que o profissional valoriza muito o contato direto com a pele do paciente, mas deve-se sempre respeitar seu recato. O paciente pode vir a sentir dor ao longo de algum Meridiano Energético ou em algum Ponto de Acupuntura, mas também pode relaxar tanto que pode sentir-se sonolento. Há algumas reações curiosas durante a sessão que não são raras e nem preocupantes, como cócegas e choro. O limite de dor e de desconforto do paciente deve ser sempre respeitado. Além de para tratar doenças, o Tuiná também pode ser usado para proteger e desenvolver o corpo, de forma que uma doença possa ser contida no seu início.

O Tuina, quando usado de forma adequada, pode tratar:

• Dores musculares localizadas ou generalizadas;
• Tensão emocional, ansiedade ou forte choque emocional;
• Pessoas que sempre estão tomando sedativos;
• Pessoas fisicamente esgotadas (após longa atividade física);
• Empresários, executivos, profissionais liberais, trabalhadores e donas-de-casa e estudantes que enfrentam estresses físico e psicológico e grande atividade física e mental;
• Pessoas com problemas psicológicos desencadeados pelo estresse: ansiedade, depressão, apatia, irritação, impaciência, tensão nervosa, angústia, descontrole, falta de vitalidade, desânimo, desmotivação, baixa auto estima, sensação de solidão, dificuldade de concentração, problemas de memória, distúrbios de sono (insônia ou excesso), cansaço mental;
• Pessoas com doenças desencadeadas pelo stress: úlceras, gastrites, distúrbios de sono (insônia ou excesso), cansaço físico e metal, dor de cabeça, dores nas costas, tensões musculares, distúrbios alimentares (excesso de fome ou inapetência), distúrbio da pressão arterial, alteração na libido (falta ou excesso), baixa resistência imunológica, problemas digestivos, cardíacos, cerebrais e hormonais;
• Pessoas saudáveis que buscam qualidade de vida e a manutenção de um conforto físico e psíquico periodicamente.

 

O Tuina promove os seguintes efeitos fisiológicos:

Nível Físico:
• Relaxamento físico, alívio de tensões, contrações e rigidez musculares;
• Relaxamento das fibras musculares e regeneração dos músculos fatigados;
• Sedação e relaxamento do sistema nervoso central e periférico;
• Dilatação dos vasos sangüíneos, auxiliando na diminuição da pressão sangüínea e do ritmo cardíaco e, também, contribuindo para o alívio da dor;
• Estimulação da circulação sangüínea, promovendo uma melhor oxigenação das células, o aumento do nível de hemoglobina e a tonificação dos órgãos internos.
• Estimulação da circulação linfática, mobilizando os líquidos dos tecidos, diminuindo inchaços, auxiliando na desintoxicação física, na eliminação do ácido lático, e no fortalecimento do sistema imunológico;
• Estimulação dos órgãos e das vísceras porque atua nos nervos que estão diretamente ligados a esses órgãos. Aceleração dos processos de cura e prevenção de doenças;
• Alívio de dores; (Existem estudos que indicam que essas técnicas contribuem para a produção de endorfinas, que são componentes químicos produzido pelo cérebro que atuam como analgésico natural. Como exemplo, temos a encefalina que tem a capacidade de reduzir a dor e produzir um estado análogo à euforia.).

Nível Psíquico:
• Alívio do estresse e harmonização de estados mentais e emocionais negativos;
• Relaxamento mental e estabilização das emoções;
• Liberação de emoções e cargas emocionais bloqueadas;
• Ampliação da consciência sobre si, da percepção corporal;
• Aumento da auto-estima, do humor e melhoria do estado de ânimo;
• Promoção de sensação de bem-estar, de disposição e de ânimo.